A Verdadeira Obediência (Mestre Eckhart)

05/03/2020

A obediência verdadeira e perfeita é uma virtude que antecede a todas as demais virtudes. Sem ela nenhuma obra, por maior que seja, pode acontecer ou ser feita; assim, se uma obra, por menor ou insignificante, for realizada na perfeita obediência, ela se torna mais útil, por exemplo, rezar ou assistir à missa, meditar ou qualquer coisa que possas imaginar. Toma uma ação qualquer, mesmo a mais irrelevante, como quiseres ou seja lá o que for: a verdadeira obediência torna-a mais nobre e melhor. A obediência realiza o melhor em todas as coisas e de forma perfeita e acabada. Com efeito, a obediência jamais perturba nem cria obstáculo algum a nada, pouco importa o que alguém faça, contanto que proceda da verdadeira obediência. Quem obedece assim não negligencia nenhum bem. A obediência não deve jamais se mostrar preocupada, nenhum bem lhe faz falta.

Sempre que o homo, na obediência, sai de seu eu e se despoja de suas coisas e interesses, Deus necessariamente penetra nele; pois quando alguém não quer nada para si mesmo, Deus quer para ele, na mesma medida em que quer para si mesmo. Quando me despojei de minha vontade, depositei-as nas mãos de meu Superior e não quis mais nada para mim, então é necessário que Deus queira para mim; se nisso Ele me negligencia, Ele se negligencia ao mesmo tempo a si mesmo. Assim ocorre em todas as coisas: sempre que eu não quero nada para mim Deus o quer para mim. Mas atenção! Que quer Deus para mim se eu não quero nada para mim? Sempre que abandono meu eu, Deus necessariamente deve querer por mim tudo o que Ele quer para si mesmo, nem mais nem menos. E isso Ele o quer na mesma medida com a qual Ele o quer para si mesmo. E se Deus não fizesse isto - pela verdade que é Deus - Deus não seria justo nem seria Deus, porquanto é assim sua natureza e essência.

Na verdadeira obediência não se deve encontrar "eu quero assim ou assado" ou "isto ou aquilo", mas unicamente uma perfeita renúncia de si mesmo. Por isso a melhor oração que o homem pode fazer não deve soar assim: "Senhor, dá-me esta virtude ou esta maneira de agir", nem: "dá-me, Senhor, a ti mesmo ou a vida eterna", mas somente: "Senhor, não me dês nada, senão aquilo que Tu queres; faze, Senhor, em cada momento, o que Tu queres e como Tu queres". Esta oração excele à outra como o céu à terra; quem rezou assim rezou bem: este, na verdadeira obediência, saiu de seu eu e mergulhou em Deus. Como a verdadeira obediência não conhece nenhum "eu quero assim", também não deve jamais ouvir "eu não quero"; pois o "eu não quero" é um verdadeiro veneno para qualquer obediência. Santo Agostinho disse:"Servo fiel é aquele que não gosta que se lhe diga ou dê o que ele gostaria de ouvir ou ver, mas seu fundamental e supremo desejo é ouvir antes o que mais agrada a Deus."

Conselhos Espirituais, Cap I , Mestre Eckhart